Páginas

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Talvez no dia de amanha

Eu a vi pela 1º vez. Queria desviar meu olhar, mas não pude evitar. Quem sabe ela me viu, ao menos notou alguma coisa em mim, mas como posso saber, só não consigo esquecer.

E aqueles olhos me olharam, como se escondesse um segredo, e naquele instante eu me perdi, e não pude me encontrar. Sentimentos? Para que eles servem? Só para me deixar confuso... Conseqüência, consciência? Eu não sei responder... É como um sonho que eu não quero mais acorda.

E talvez eu perca meu tempo mais uma vez, e a vontade de sentir você irá crescer. Expressar tudo isso não é tão difícil, e esses sonhos em preto e branco que nunca passam...

Vou apenas admirar a sua beleza, vivendo uma incerteza. Talvez no dia de amanha.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Como eu queria que tudo parasse, que mundo estúpido. Como sou um imbencil. Não consigo me definir de outra maneira, gostaria de não ter esperança e eu vou apenas dizer o que eu penso... Tudo insanidade.

E quem diria que chagamos a que, eu não posso dar motivos, e a rotina acaba comigo, eu sou apenas um fantoche das minhas ilusões.

E hoje eu me sinto triste perdido nessa cidade, será que me encaixo nesse lugar como uma peça de xadrez? Eu espero que não. Eu não quero jogar esse jogo. E caminharei sozinho, como sempre, em busca de uma resposta.

Eu queria que minhas palavras fizessem sentido.

domingo, 21 de agosto de 2011

Tarde de Mais

Essa noite eu beijo a sua mão... Eu nunca imagine em te conhecer. O seu andar pela sala, seu cabelo. Cada movimento, cada olhar, eu deveria para e pensar, eu estou gostando mais uma vez, me apaixonando por você.

E que mal teria nisso? Eu não sei. Eu deveria deixar esse sentimento me levar, para um lugar bem longe onde eu me confortaria no calor dos seus braços, sonhar sem medo de ser feliz... Mas é tanta insegurança, tantos motivos para não da certo, sofrimento? Seria apenas mais uma história, uma parte da minha vida que eu deveria esquecer.

E são tantas idéias, pensamentos e sentimentos. Tudo me diz que é você, com sua voz. Eu apenas quero olhar em seus olhos e dizer o que deveria ser dito... Um dia quem sabe tomo coragem.

Ate lá, será tarde de mais...

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Repetindo palavras

Eu poderia fugir do controle, deixar cada pensamento me levar à perdição. Eu deveria reescreve minha historia, moldar as soluções necessárias para cada momento que perco o sentindo. A cada instante que eu tentei, apenas fingi que eu poderia vencer esse jogo, de memórias vivas, parece que estou vivendo e vendo tudo outra vez.

E cometo os mesmo erros, deixando os conselhos de lado, sabendo que estou errado. Eu deveria mudar, tentar. Afundando em minha própria ignorância, dando murro em ponta de faca, que só fazem sangra e cicatrizar, a mesma historia todo dia.

E eu vivo em um mundo podre, cheio de decisões e caminhos a seguir... Dividido entre razões, sonhos, soluções, emoções. Repito tantas palavras, desejos, queria que o vento me levasse; e o tempo passa, e estou ficando mais velho, sem motivos...

E eu vou lembrar do tempo que eu só tinha que me preocupar com qual brinquedo eu queria brincar.

domingo, 7 de agosto de 2011

Meu sacrifício

Hoje eu abri meus olhos, e idéias sem sentindo consumiram minha cabeça. Eu poderia ter feito tantas coisas, completado tantos planos, deixado tantos erros, deveria te “vivido” mais. E por onde começar? Eu queria entender tantas coisas, falar tantas palavras... Eu apenas não sei mais o que dizer, é segurar a lagrima que nunca vou chorar.

E eu vi a esperança nos olhos de quem eu amava, e isso parece que nunca fez a diferença. Eu ainda procuro maneiras de pedir desculpas pelos erros que nunca cometi. Quem sabe da próxima vez eu seja algo melhor, mas não posso esquecer que “outra vez” eu não terei.

E eu vou fechar meus olhos mais uma vez, quem sabe eu possa entende meu coração.

Continuar vivo, esse vai ser meu sacrifício...

Sem titulo

Sabe quando ainda estamos procurando as palavras para descrever o que sentimos?
Então estou passando por isso, pois tudo é tão confuso para que até eu entenda!

Como diz Clarice Lispector: Com todo perdão da palavra, eu sou um mistério para mim. e é assim que me sinto agora, pois tenho varias coisas para dizer, sentimentos, ideias tenho tudo menos palavra.

Terminarei esse curto post com uma frase da Clarice Lispector.

"Sonhe com o que você quiser. Vá para onde você queira ir. Seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida, e nela só temos uma chance de fazer aquilo que queremos. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades para fazê-la forte. Tristeza para fazê-la humana. E esperança suficiente para fazê-la feliz."

sábado, 6 de agosto de 2011

Cartas para Julieta


Carta escrita por Sophie no filme Cartas para Julieta

"E" e "Se" são duas palavras tão inofensivas quanto qualquer palavra, mas coloque-as juntas lado a lado, e elas tem o poder de assombra-lá pelo resto da sua vida. "E se".. E se? E se? 


Não sei como sua história acabou. Mas sei o que você sentia na época era amor verdadeiro então nunca é tarde demais. Se era verdadeiro então, porque não o seria agora? Voce só precisa ter coragem para seguir seu coração. Não sei como é sentir amor como o de Julieta, um amor pelo qual abandonar entes queridos, um amor pelo qual cruzar oceanos. Mas gosto de pensar que, se um dia sentisse, eu teria coragem de agarra-lo. E Claire se voce não o fez, espero que um dia faça.

Com todo meu amor. 

Julieta


quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Um fantasma na memória

Eu gostaria de revela . Quem sabe um “oi”, um abraço, ”ate logo”, ”como vai”... Quem sabe ate um “nunca mais”, não faria diferença, pois não saberia o que dizer.

Tantas coisas que guardei, coisas que evitei dizer com medo de assustar você. E os sentimentos ficaram entalados em minha garganta. Eu simplesmente guardei o seu olhar, eu poderia esquecer tudo, os momentos juntos, seus belos lábios, a pele do seu rosto, eu poderia levar horas para te descrever... Mas seu olhar eu não posso, eu não consigo, eu deveria esquecer?

Quem sabe um dia, uma manha, uma noite qual quer, eu não sei. Ou apenas passar despercebido, por meio de tantas pessoas, de tantas lembranças, deixar o tempo levar, conviver com isso, reclamar daquilo, sonhar com isso...

Um fantasma na memória.