Páginas

sábado, 3 de dezembro de 2011

A inocência das palavras

A inocência das palavras ganha vida

Como se não tivesse malicia no que eu disse

Jogando por traz da mascara

Toda nossa “esperteza”

E motivos não faltam

Pra encontra razões

Em mentiras que me dizem

Que partiram o coração

E esse sorriso

Nunca escondeu

Por traz dos olhos de quem me conquistou

E transformou em ilusão

E porque todas as noites

Os sonhos e pesadelos

Tornam-se reais

Pra fazer disso tudo uma historia esquecida

E se pudesse enterra

Como tudo que vejo morrer

Seria tão fácil

Como da ultima vez

E eu vou viver disso e mais um pouco

Contando os minutos

Quem sabe posso cobra de alguém

Um preço que já foi pago

E se alguém me espera

Como o dia nublado espera o sol

Mas dessa vez estarei tão longe

Que isso faz os batimentos pararem

Cometer os mesmo erros

Nunca foi opção

Como um dia após o outro

Que acordei para a decepção

E lagrimas que escorreram

Jamais lavou a alma

E feridas que abriram

Não se fecham com a dor

E nossos sentimentos vão ser um mistério

Pra mim e pra você

E amar sozinho

Não é o motivo pra ser feliz

E quem sabe um dia

Eu termino na solidão de uma vez.

Um comentário:

  1. Nossa to de boca aberta...
    sem palavras para isso menino poeta superou

    ResponderExcluir